Ficha Técnica

 

Direção: Jô Fornari

Manipulação: Alex Nascimento

Concepção e construção dos bonecos: Alex Nascimento e Humberto Soares

Dramaturgia: Alex Nascimento

Trilha Sonora: Dentinho Arueira (composição)

 Participação na Trilha: Fabio Cabelo e Romulo Boettcher

Contrarregra: Humberto Soares

Duração: 40 minutos

Mané Mateus é o dono do boi que irá se apresentar, mas logo descobre o sumiço do boizinho. 

Quedelhe o boi? O Boi sumiu... Como vai acontecer a apresentação sem o bois de mamão? 

A adaptação do folguedo popular do Boi de Mamão se  apropria de características de diversos boi brincantes do Brasil, aborda personagens típicos do folclore catarinense: a Maricota, o vaqueiro Orides, a Bernunça, o Boi de Mamão, o Mané Mateus, a Benzedeira e o Doutor.

Em tom cômico, o espetáculo também alerta sobre o maltrato dos animais nos locais onde acontece a farra do boi e os rodeiros.  

A apresentação de Teatro de Bonecos utiliza a técnica da luva e vara, apresentado em um pequeno palco/empanada (estrutura típica do teatro de bonecos de luva).

 

Espetáculo de narração de histórias inspirado no livro de imagem Cidade da Chuva. Mistura história e desenhos feitos durante a apresentação. Conta de forma poética sobre uma cidade que já foi seca, a partir do encontro do Sol e a Chuva tudo muda, da terra rachada pela secura do tempo ela vai se transformando em uma cidade alagada.  A história chove por aí contando o amor entre o Sol e a Chuva. Um conto sobre um amor impossível que se torna possível.

Ficha técnica:

Narrador: Humberto Soares

Trilha sonora de Lander Alves e João Eichholz

Música-tema: Ana Paula da Silva

Textos: Alex Nascimento e Humberto Soares

Figurino: Marlon Zé

Cenário: O grupo

Classificação: Livre

Duração: 40 minutos

Poemas: Karla Concá e Cecilia Meireles

 

(Espetáculo de Teatro Lambe-lambe)

Espetáculo de teatro em miniatura da Pequeninus Grupo de Arte. Tem a estética da performance e intervenção de rua, surge um vendedor ambulante que oferece ao público diversos produtos mirabolantes, cada produto com benefícios fantásticos. Entre esses produtos o vendedor oferece uma história, um pequeno conto vindo direto do oriente, um conto indiano que é tão raro, mas tão secreto, que só pode ser assistido, por uma pessoa de cada vez. O público fica curioso para conhecer esse conto guardado dentro de uma caixa misteriosa.

O Faquir é um espetáculo para crianças e adultos. Nele aparece um encantador de serpentes que passa por uma situação diferente, durante uma das suas apresentações. Ao espiar pela janela da caixa teatral o público entra num pequenino espaço cênico, uma sala de apresentações em miniatura, com trilha sonora, iluminação, cenário, adereços e atores em cena.

Ficha técnica:

 Cenário e Direção: O Grupo

Atuação/manipulação: Alex Nascimento

Figurino: Humberto Soares

Produção: Tete Soares

Concepção estética da caixa: Jô Fornari

 

Um conto santo que fala do poder feminino, fala da fé, fala de esperança, fala da mãe negra, a Nossa Senhora Aparecida (Padroeira do Brasil), uma santa que é um ícone do nosso país há mais de 300 anos.
Essa é uma história popular contada de geração em geração pelas mulheres da família do narrador, o espetáculo apresenta um conto que sua vó contava, mostrar um olhar poético e uma forma simples de contar histórias. 

"Mãezinha do Céu, eu não sei rezar, eu só sei dizer quero te amar"

Ficha Técnica

Narrador: Humberto Soares
Roteiro: Humberto Soares e Alex Nascimento

Oratório: Alberione Camargo

Figurino: Célia Soares

Cenário: O Grupo

Duração: 40 minutos

 

Sorocopô é um peixinho sonhador. Ele quer voar. 
Voar é um sonho esquisito para um peixe, mas Sorocopô é determinado e corajoso e irá enfrentar muitas águas pelo caminho em busca do seu sonho. 

Até porque, ele é de papel, maleável e  frágil. 

E, não é no papel que podemos escrever nossa própria história?! 
Uma adaptação do conto “Sorocopô - o peixinho sonhador” de Humberto Soares, o espetáculo é uma fábula sobre a decisão e a coragem para ir em busca daquilo que se quer .
Sonho de papel  é um  espetáculo de teatro de animação, que se apropria do papel para a construção dos bonecos e cenário, utilizando principalmente a técnica do origami, valendo-se assim,  da metáfora da vida e dos sonhos - o efêmero e o mutável .

Ficha Técnica

Direção e Figurino: Jô Fornari

Dramaturgia: Ilaine Melo

Atuação: Alex Nascimento

 Humberto Soares 

Preparação corporal: Rafaela Catarina Kinas

 Cenografia e Iluminação: Juliano Valffi

Assessoria luminotécnica: Alex Souza

​Trilha sonora: Fábio Cabelo

  • wtahs
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram